Protocolo para criação de Cátedra Monte do Pasto Bem-Estar Animal – Criação de Bovinos de Ar Livre – Parceria com Universidade de Évora

Apostar no desenvolvimento e na divulgação de processos e tecnologias inovadores para o setor e potenciar a atração e fixação de recursos qualificados na região, são as premissas na base do protocolo.

Apoiada pelo Monte do Pasto, a Cátedra Monte do Pasto Bem-estar Animal – Criação de Bovinos de Ar Livre, pretende criar uma plataforma de qualificação e inovação colaborativa, assente no desenvolvimento de recursos humanos altamente qualificados, em áreas emergentes e fundamentais do setor agropecuário.

A formalização da Cátedra decorreu no dia 21 de dezembro, na Universidade de Évora.

Através da Cátedra Monte do Pasto Bem-estar Animal – Criação de Bovinos de Ar Livre, espera-se impulsionar o desenvolvimento e a divulgação de processos e tecnologias inovadores para o setor agropecuário da região Alentejo, capazes de aumentar a sua produtividade e competitividade a nível nacional e internacional. É igualmente importante para a Universidade de Évora e para o grupo Monte do Pasto, que através desta nova cátedra possam potenciar a atração e a fixação de talento qualificado na região do Alentejo, promovendo-se também, por esta via, o seu desenvolvimento socioeconómico.

Como forma de simbolizar a formalização desta nova infraestrutura na Universidade de Évora, o atual auditório da Mitra passa a designar-se por “Auditório Monte do Pasto”, um local que recebe anualmente diversos congressos e reuniões científicas, nacionais e internacionais.

As duas entidades estão ainda a colaborar no projeto de Inovação “Ethical Meat – Sistema Integrado de Produção Sustentável de Carne”, que integra como parceiro a Universidade do Minho.

Este projeto ambicioso investe na investigação e desenvolvimento de processos e tecnologias inovadores para assegurar a produção de produtos de carne com mais bem-estar animal e mais sustentáveis, criando maior valor acrescentado para a empresa, para o setor agropecuário e para economia do Alentejo. E que materializam a iniciativa estratégica da União Europeia – “Do Prado ao Prato” – para a transição para um sistema alimentar mais sustentável ao longo da cadeia alimentar.